A Psicologia Transpessoal e a nova consciência emergente

Por Mani Alvarez

Sempre ensinaram para nós que a vida consiste em nascer, trabalhar, produzir, consumir, aproveitar todos os seus prazeres e depois morrer. Ao longo de nossa existência passamos por todas as fases de uma educação formal, entramos no mercado de trabalho, conquistamos um salário razoável, constituímos família, temos nossos filhos, enfim, vivemos uma vida normal. Mas chega um momento em que sentimos que está faltando alguma coisa, que algo não nos foi ensinado, mas não sabemos o que é. Nada mais parece ter sentido. E nesse momento começa uma crise de transformação na sua vida.

Nós somos seres de sentido, nós precisamos dar um significado para as coisas que fazemos, não podemos viver sem isso. É o que nos move, o que nos faz levantar de manhã com alegria, e faz a gente ir além de nossos limites. Quando falta o sentido, começam as perguntas: o que estou fazendo aqui? Para onde vou? Porque a gente vive? E o que acontece depois da morte?

Quando começamos a nos fazer essas perguntas, parece que tudo vira de cabeça para baixo. Surgem dúvidas, questões, conflitos. Uma insatisfação muito profunda parece minar nossa energia. Começamos a produzir doenças, surgem os conflitos emocionais, insatisfação profissional... a crise de transformação vem justamente para quebrar as amarras que nos mantém num caminho sem sentido.

Nessa hora, de duas, uma: ou a gente vê essa crise como uma ameaça externa, um fungo, uma bactéria, uma depressão, corre para o médico e se enche de remédios, ou a gente entende que aquilo tem um significado, é um sinal, e está apontando para alguma coisa que temos de aprender.

No primeiro caso ocorre um bloqueio; tudo estanca e volta à pseudo-normalidade. No segundo, ocorre uma abertura. Toda escolha tem consequências. Se você escolheu se abrir, começam a acontecer coisas estranhas em sua vida. Você pensa numa pessoa, e ela telefona. Entra numa livraria e cai em suas mãos o livro que você precisava ler. Está com um problema para resolver, assiste um filme que fala do assunto. Abre o jornal e vê um anuncio do emprego que procurava. Coisas assim, que a primeira vista podemos dizer: coincidência.

Sim, mas quando essas coincidências começam a se repetir, não são mais coincidências e você começa a desconfiar que por detrás de tudo isso há um sentido se desvelando, um sinal sendo dado, uma mão direcionando você para um caminho.

Essa é a nova consciência que está surgindo. Esse é o despertar da consciência transpessoal. Sentir a presença de uma força misteriosa que parece conhecer seus passos, seus pensamentos, e se preocupa com você. Jung deu a isso o nome de sincronicidade, fatos significativos que acontecem na vida de uma pessoa.

Quando a sincronicidade começa a ocorrer em nossa vida, algo começa também a se desenvolver em nós. É a chamada terceira inteligência, a inteligência espiritual e representa o início de um processo evolutivo de expansão da consciência..

Pierre Weil, o pioneiro da Psicologia Transpessoal no Brasil, chamou de mutante essas pessoas em processo de expansão da consciência. É através de uma mutação que começa, na verdade, a dimensão transpessoal da consciência. É quando a gente se dá conta de que existe algo muito mais verdadeiro do que nossas meras identidades, nossas crenças, nossas opiniões, nossos apegos. Já não nos orientamos mais a partir de nossos interesses pessoais, mas por aquilo que vai além, que transcende a própria individualidade e se dirige para o coletivo, o social, o outro. Só então compreendemos que estamos aqui no mundo a serviço, todos nós somos servidores. Essa experiência muda tudo.

A visão da espiritualidade que decorre dessa mutação interna provoca uma nova postura perante a vida, uma vivência real, uma mudança interna que não tem nada a ver com a religião nem com doutrinas espíritas. Espiritualidade é um termo que significa mais uma dimensão noética, uma propensão aos valores humanos, uma capacidade de transcendência que pode ou não estar ligado a uma prática religiosa.

O mutante é aquele que aprende a conviver com esses fenômenos acontecendo na sua vida o tempo todo. Ele está aberto para mudar. Nós, seres humanos, somos um projeto inacabado. Essa é a grandiosidade do ser humano. Sua capacidade de abertura.

Mas, existem inúmeras pessoas que nunca viveram uma crise de transformação, que continuam com as mesmas ideias, hábitos e modo de pensar de sempre. Não buscam o sentido das coisas e repetem, como sonâmbulos, suas rotinas de vida incansavelmente. Pierre Weil chama essas pessoas de estagnantes, porque, na verdade, estão estagnadas. Vivem dopadas pela visão de mundo que é vendida pela mídia, pelo sistema político, pelos interesses econômicos. Pessoas estagnadas, alienadas, são um alvo muito fácil para um sistema que não se preocupa com o desenvolvimento humano, e sim, do capital.

Há uma imagem que ilustra bem como agem o mutante e o estagnante. Nossa mente se assemelha a um Boeing supersônico fabuloso, que viaja a velocidades incalculáveis e pode ir a espaços infinitos. Mas não sabemos como usar os instrumentos de bordo. Só existem duas possibilidades: ou aprendemos a pilotar o nosso Boeing e tomamos a direção em nossas mãos, ou ligamos o piloto automático e vamos dormir lá no fundo do avião. O mutante é aquele que vai buscar aprender tudo sobre sua mente-supersônica; o estagnante vai tirar uma soneca e se deixar conduzir para qualquer lugar.

Em qual condição você quer fazer sua viagem?

A Psicologia Transpessoal e a nova consciência emergente

Por Mani Alvarez

Sempre ensinaram para nós que a vida consiste em nascer, trabalhar, produzir, consumir, aproveitar todos os seus prazeres e depois morrer. Ao longo de nossa existência passamos por todas as fases de uma educação formal, entramos no mercado de trabalho, conquistamos um salário razoável, constituímos família, temos nossos filhos, enfim, vivemos uma vida normal. Mas chega um momento em que sentimos que está faltando alguma coisa, que algo não nos foi ensinado, mas não sabemos o que é. Nada mais parece ter sentido. E nesse momento começa uma crise de transformação na sua vida.

Nós somos seres de sentido, nós precisamos dar um significado para as coisas que fazemos, não podemos viver sem isso. É o que nos move, o que nos faz levantar de manhã com alegria, e faz a gente ir além de nossos limites. Quando falta o sentido, começam as perguntas: o que estou fazendo aqui? Para onde vou? Porque a gente vive? E o que acontece depois da morte?

Quando começamos a nos fazer essas perguntas, parece que tudo vira de cabeça para baixo. Surgem dúvidas, questões, conflitos. Uma insatisfação muito profunda parece minar nossa energia. Começamos a produzir doenças, surgem os conflitos emocionais, insatisfação profissional... a crise de transformação vem justamente para quebrar as amarras que nos mantém num caminho sem sentido.

Nessa hora, de duas, uma: ou a gente vê essa crise como uma ameaça externa, um fungo, uma bactéria, uma depressão, corre para o médico e se enche de remédios, ou a gente entende que aquilo tem um significado, é um sinal, e está apontando para alguma coisa que temos de aprender.

No primeiro caso ocorre um bloqueio; tudo estanca e volta à pseudo-normalidade. No segundo, ocorre uma abertura. Toda escolha tem consequências. Se você escolheu se abrir, começam a acontecer coisas estranhas em sua vida. Você pensa numa pessoa, e ela telefona. Entra numa livraria e cai em suas mãos o livro que você precisava ler. Está com um problema para resolver, assiste um filme que fala do assunto. Abre o jornal e vê um anuncio do emprego que procurava. Coisas assim, que a primeira vista podemos dizer: coincidência.

Sim, mas quando essas coincidências começam a se repetir, não são mais coincidências e você começa a desconfiar que por detrás de tudo isso há um sentido se desvelando, um sinal sendo dado, uma mão direcionando você para um caminho.

Essa é a nova consciência que está surgindo. Esse é o despertar da consciência transpessoal. Sentir a presença de uma força misteriosa que parece conhecer seus passos, seus pensamentos, e se preocupa com você. Jung deu a isso o nome de sincronicidade, fatos significativos que acontecem na vida de uma pessoa.

Quando a sincronicidade começa a ocorrer em nossa vida, algo começa também a se desenvolver em nós. É a chamada terceira inteligência, a inteligência espiritual e representa o início de um processo evolutivo de expansão da consciência..

Pierre Weil, o pioneiro da Psicologia Transpessoal no Brasil, chamou de mutante essas pessoas em processo de expansão da consciência. É através de uma mutação que começa, na verdade, a dimensão transpessoal da consciência. É quando a gente se dá conta de que existe algo muito mais verdadeiro do que nossas meras identidades, nossas crenças, nossas opiniões, nossos apegos. Já não nos orientamos mais a partir de nossos interesses pessoais, mas por aquilo que vai além, que transcende a própria individualidade e se dirige para o coletivo, o social, o outro. Só então compreendemos que estamos aqui no mundo a serviço, todos nós somos servidores. Essa experiência muda tudo.

A visão da espiritualidade que decorre dessa mutação interna provoca uma nova postura perante a vida, uma vivência real, uma mudança interna que não tem nada a ver com a religião nem com doutrinas espíritas. Espiritualidade é um termo que significa mais uma dimensão noética, uma propensão aos valores humanos, uma capacidade de transcendência que pode ou não estar ligado a uma prática religiosa.

O mutante é aquele que aprende a conviver com esses fenômenos acontecendo na sua vida o tempo todo. Ele está aberto para mudar. Nós, seres humanos, somos um projeto inacabado. Essa é a grandiosidade do ser humano. Sua capacidade de abertura.

Mas, existem inúmeras pessoas que nunca viveram uma crise de transformação, que continuam com as mesmas ideias, hábitos e modo de pensar de sempre. Não buscam o sentido das coisas e repetem, como sonâmbulos, suas rotinas de vida incansavelmente. Pierre Weil chama essas pessoas de estagnantes, porque, na verdade, estão estagnadas. Vivem dopadas pela visão de mundo que é vendida pela mídia, pelo sistema político, pelos interesses econômicos. Pessoas estagnadas, alienadas, são um alvo muito fácil para um sistema que não se preocupa com o desenvolvimento humano, e sim, do capital.

Há uma imagem que ilustra bem como agem o mutante e o estagnante. Nossa mente se assemelha a um Boeing supersônico fabuloso, que viaja a velocidades incalculáveis e pode ir a espaços infinitos. Mas não sabemos como usar os instrumentos de bordo. Só existem duas possibilidades: ou aprendemos a pilotar o nosso Boeing e tomamos a direção em nossas mãos, ou ligamos o piloto automático e vamos dormir lá no fundo do avião. O mutante é aquele que vai buscar aprender tudo sobre sua mente-supersônica; o estagnante vai tirar uma soneca e se deixar conduzir para qualquer lugar.

Em qual condição você quer fazer sua viagem?

Nosso curso é de pós-graduação lato sensu, com a chancela da Faculdade Vicentina, de Curitiba

Visa o seu auto-desenvolvimento e capacitação profissional, de acordo com os mais recentes estudos e pesquisas sobre a consciência.

Estamos com o curso que foi iniciado em 19 de março de 2016 em andamento - As matrículas para este ano já foram encerradas.

A próxima turma será em março de 2017

PROPOSTA DO CURSO

A Psicologia Transpessoal é um método que reúne espiritualidade e ciência, e como tal reivindica a essência divina como uma semente no âmago de todos os seres. Tem por princípio que o Homem é um ser dividido entre sua origem instintiva e seu destino divino. Fundamenta-se numa síntese de conhecimentos do Ocidente e do Oriente, integrando antigas tradições místicas a uma linguagem científica e contemporânea.

Entre várias correntes da psicologia, a Transpessoal é a que possui mais estudos e pesquisas sobre os estados de consciência, a que desenvolveu uma tecnologia espiritual específica para incorporar o fator intuitivo na consciência, e uma metodologia vivencial para usar o pensamento e a intenção para criar a realidade. Teorias de ponta como a Física Quântica e as Neurociências, entre outras, confirmam plenamente a natureza multidimensional da consciência e dão sustentabilidade aos novos paradigmas da evolução consciencial.

Também as tradições e mitos dos diversos povos da Terra compartilham os mesmos princípios que a Transpessoal preconiza sobre a essência superior da mente humana. Novas tecnologias vibracionais de cura surgem, novos instrumentos avançados da consciência complementam os modelos usuais da medicina clássica ocidental.

Tudo isso confirma que não podemos mais nos orientar só pelo paradigma mecanicista cartesiano-newtoniano, que apenas reconhece o que é material, mensurável e visível. Uma nova realidade está surgindo, revolucionando os alicerces do pensamento racional e modificando a estrutura de nossa sociedade.

Diante disso, e com a chancela da Faculdade Vicentina, de Curitiba, vamos iniciar em março de 2016 mais um curso de Pós-graduação Lato Sensu em Psicologia Transpessoal Integrativa, como forma de agregar o estudo acadêmico da consciência humana a uma formação terapêutica de base transpessoal. O curso está formatado em módulos temáticos que se complementam e se integram, de forma a demonstrar sua aplicação em outras áreas além da psicoterapia, como a educação, as artes, a saúde, as organizações etc..

Nosso curso é de pós-graduação lato sensu, com a chancela da Faculdade Vicentina, de Curitiba

Visa o seu auto-desenvolvimento e capacitação profissional, de acordo com os mais recentes estudos e pesquisas sobre a consciência.

Estamos com o curso que foi iniciado em 19 de março de 2016 em andamento - As matrículas para este ano já foram encerradas.

A próxima turma será em março de 2017

PROPOSTA DO CURSO

A Psicologia Transpessoal é um método que reúne espiritualidade e ciência, e como tal reivindica a essência divina como uma semente no âmago de todos os seres. Tem por princípio que o Homem é um ser dividido entre sua origem instintiva e seu destino divino. Fundamenta-se numa síntese de conhecimentos do Ocidente e do Oriente, integrando antigas tradições místicas a uma linguagem científica e contemporânea.

Entre várias correntes da psicologia, a Transpessoal é a que possui mais estudos e pesquisas sobre os estados de consciência, a que desenvolveu uma tecnologia espiritual específica para incorporar o fator intuitivo na consciência, e uma metodologia vivencial para usar o pensamento e a intenção para criar a realidade. Teorias de ponta como a Física Quântica e as Neurociências, entre outras, confirmam plenamente a natureza multidimensional da consciência e dão sustentabilidade aos novos paradigmas da evolução consciencial.

Também as tradições e mitos dos diversos povos da Terra compartilham os mesmos princípios que a Transpessoal preconiza sobre a essência superior da mente humana. Novas tecnologias vibracionais de cura surgem, novos instrumentos avançados da consciência complementam os modelos usuais da medicina clássica ocidental.

Tudo isso confirma que não podemos mais nos orientar só pelo paradigma mecanicista cartesiano-newtoniano, que apenas reconhece o que é material, mensurável e visível. Uma nova realidade está surgindo, revolucionando os alicerces do pensamento racional e modificando a estrutura de nossa sociedade.

Diante disso, e com a chancela da Faculdade Vicentina, de Curitiba, vamos iniciar em março de 2016 mais um curso de Pós-graduação Lato Sensu em Psicologia Transpessoal Integrativa, como forma de agregar o estudo acadêmico da consciência humana a uma formação terapêutica de base transpessoal. O curso está formatado em módulos temáticos que se complementam e se integram, de forma a demonstrar sua aplicação em outras áreas além da psicoterapia, como a educação, as artes, a saúde, as organizações etc..

Deseja receber com antecedência nova programação para 2017?

Deixe seu melhor email para receber nossas novidades!

Fique tranquilo, somos contra spam


Aproveite, compartilhe nossa página no Facebook!


Opinião

O que você achou?

Deixe sua opinião, é importante para melhorarmos ainda mais.


O Movimento Transpessoal e a era da consciência

0

Classificação 5 / 1 votos

Deixe seu voto para nós